Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cozinhar com

Venez j'vais vous aider. On descend et hot c'est parti - Amélie Poulain

Cozinhar com (orégãos)

Em resposta ao desafio Receita Saudável do blogue Limited Edition

Para mim uma alimentação saudável requer que façamos boas escolhas e que haja bom senso. Boas escolhas no supermercado, bem como conscientes (nomeadamente em termos monetários) são o primeiro passo para adquirirmos uma alimentação saudável, equilibrada e barata, pois não tem que ser cara para ser saudável, nem tão pouco incluir os alimentos que estão na "moda". Sugiro que me recruteis para vossa personal shopper, mas em supermercados, I'll be your best friend, I promise (risos)!
Já com o bom senso refiro-me à capacidade de termos a consciência de que "abusar" daquilo que não nos faz tão bem à saúde não deve tornar-se um hábito, mas sim um acontecimento momentâneo. Serve também o bom senso, para nos consciencializarmos da existência de uma linha, muito ténue, que separa os nossos hábitos alimentares e o querer que os hábitos alimentares dos outros sejam, religiosamente iguais, aos nossos. Não, isso não deve acontecer! Individualidade é um dos segredos para contornar esse problema, e claro está, se desejarmos adaptar os nossos hábitos alimentares, que seja com informação devidamente fornecida por profissionais na área.

Conto-vos uma história pessoal para ilustrar o "como lidar corretamente com A linha". Quando faço os meus próprios cozinhados, quem me conhece e acompanha o blogue, já se apercebeu certamente que não utilizo sal em nada. Porquê? Curiosamente este hábito, agora regular, surgiu por acaso! Quando andava na faculdade, altura em que comecei a cozinhar, certo dia deparei-me com a falta de sal em casa e, no momento, por preguiça de o ir comprar, resolvi cozinhar sem. E não é que o sal não entrou mais na minha cozinha? Não foi preguicite crónica, mas sim, porque notei que não fazia falta ao meu paladar e que conseguia construir um sabor agradável através do uso especiarias e ervas aromáticas. Isto tudo para dizer que, apesar deste meu hábito, eu não exijo que cozinhem sem sal para mim nem tão pouco impinjo este hábito a quem me rodeia, apenas o aconselho (explicando os benefícios) e o dou a experimentar!
Se colar, colou! Se não colar, amigos à mesma!

 

Para dar continuidade ao raciocínio, a receita é de umas bolachas "salgadas" sem sal adicionado.

 

 

Ingredientes (rende cerca de 30 bolachas)

 

150 g de farinha sem fermento

50 g de manteiga vegetal

1 colher de sopa de concentrado de tomate

2 colheres de sopa de água fria

1 colher de chá de orégãos

2 colheres de chá de pimentão-doce

 

Preparação

 

Misturar a farinha, os orégãos e o pimentão-doce.
Juntar a margarina e misturar com a farinha até obter uma massa areada.
Adicionar o concentrado de tomate e a água a pouco e pouco até ter obter uma massa moldável.
Formar uma bola e guardar no frigorífico por meia hora.
Estender a massa com o rolo da massa o mais fino possível e cortar as bolachas da forma desejada.
Colocar as bolachas em cima do tabuleiro forrado com papel vegetal e picá-las com um garfo.
Levar ao forno aquecido a 180º durante cerca de 25 minutos.

 

IMG_20170305_142807-01

IMG_20170305_142655-01

IMG_20170305_142907-01

4 comentários

Comentar post